Area for customer | login: password:

26.11.2007

Brazil NE sees bigger cane crop, harvest continues

SAO PAULO, Nov 26 (Reuters) - Favored by rains in recent months, Brazil's northeast cane crop could reach 60 million tonnes this season, up from the 58.5 million tonnes expected in September, when harvest began, an industrial official said on Monday.

The region's two largest cane producing states crushed more than one-third of the expected crop by mid-November.

"It's a good crop for the northeast in terms of output, not prices. We could reach 60 million tonnes of cane," Renato Cunha, president of the Pernambuco Sugar and Ethanol Industry Union, said by telephone.

"We are seeing rains alternating (with dry weather), and they do not interfere with harvesting," Cunha said, adding that sugar and ethanol prices, however, do not compensate mills adequately.

Pernambuco, the No. 2 cane producer in the northeast, crushed 6.8 million tonnes by Nov. 15, up 100,000 tonnes from a year earlier.

Sugar output dropped 2.3 percent to 600,000 tonnes in the same period, while ethanol production increased 3.2 percent to 130 million liters.

The northeast accounts for 10 to 15 percent of Brazil's total cane output.

This crop is expected to be the largest in four years. In 2006/07, the crop was hit by a lack of rain and cane output totaled around 54 million tonnes.

Alagoas, the region's top cane producing state, crushed 9.23 million tonnes by Nov. 15, up 3.16 percent from the same time last year. Sugar output fell 1.1 percent to 779,800 tonnes, and ethanol production rose 11 percent to 226.5 million liters.
(Reporting by Inae Riveras)


NORDESTE ESPERA GRANDE SAFRA DE CANA; A COLHEITA CONTINUA

SÃO PAULO, 26 de novembro (Reuters) - Favorecida por chuvas nos últimos meses, a safra de cana do Nordeste brasileiro pode chegar a 60 milhões de toneladas nesta temporada, acima das 58,5 milhões de toneladas esperadas em setembro, quando foi iniciada a colheita, de acordo com uma autoridade da indústria.

Os dois Estados com a maior produção de cana da região processaram, até meados de novembro, mais de um terço da safra projetada.

"É uma safra boa para o Nordeste em termos de produção, não de preços. Podemos chegar a 60 milhões de toneladas de cana," disse por telefone Renato Cunha, presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Pernambuco (Sindaçúcar).

"Estamos vendo chuvas alternando (com tempo seco), e elas não interferem na colheita", afirmou Cunha, acrescentando que os preços do açúcar e do etanol, no entanto, não compensam adequadamente as usinas.

Pernambuco, segundo Estado em produção de cana no Nordeste, havia moído 6,8 milhões de toneladas até 15 de novembro, 100 mil toneladas acima do total moído no ano passado.

A produção pernambucana de açúcar caiu 2,3 por cento, para 600 mil toneladas no mesmo período, enquanto a fabricação de etanol aumentou 3,2 por cento, para 130 milhões de litros.

O Nordeste representa entre 10 e 15 por cento da produção nacional de cana.
Esta safra deve ser a maior dos últimos quatro anos. Na temporada 2006/07, as lavouras foram atingidas pela escassez de chuva, resultando numa produção de aproximadamente 54 milhões de toneladas de cana.

Alagoas, maior Estado produtor de cana da região, havia processado 9,23 milhões de toneladas até 15 de novembro, 3,16 por cento acima do total moído um ano atrás. A produção de açúcar recuou 1,1 por cento, para 779.800 toneladas, enquanto a produção de etanol aumentou 11 por cento, para 226,5 milhões de litros.
(Por Inaê Riveras)

REUTERS