Area for customer | login: password:

17.02.2008

Prices of cereals and grains should go up in spite of the increase in production, the FAO stat

The production of cereals and grains in the world should have significant growth this year due to favourable climatic conditions and planting during the winter in Europe and the USA, but the prices on the international markets should stay high – or may even go even higher – with the pressures of the demand and the uncertainty about stocks.

The estimate was taken from the report “Harvest Forecasts and the Food Situation” from the FAO (United Nations Food and Agriculture Organization),
printed this Wednesday.

Even with the world harvest at record levels, prices also should not go down any time soon on account of the growing world demand. According to the report, the prices of wheat on the international market in January of this year registered an increase of 83% compared to a year earlier.

The FAO estimates that the imports of cereals to poor countries with food deficits should decline by about 2% in volume this year, however outlays with the purchase of cereals should increase 35% for the second year in a row ( with an estimate of an even greater increase for African countries) due to the increase in prices.

According to the report, 36 countries presently face food scarcity crises. To reduce the impact of the high prices of cereals on other food products, the governments of importing and exporting countries should adopt measures such as the reduction of import taxes, increase in food subsidies and control of exports by eliminating or imposing taxes, as the case may be.

“The high prices of foods and the uncertainties of the market have become serious global worries and the ample access to information and up to date analyses are becoming a critical factor”.

For South American, the FAO expects satisfactory corn crops this year, although in Argentina the situation is still uncertain. In Bolivia, floods affected more than 42 thousand families who were left in situations of emergency and caused the loss, either partial or total, of many cultivated areas of the country.

In countries in the south of Africa satisfactory harvests are expected in spite of floods in the region. In Asia – especially in China, Mongolia, Afghanistan and Tajikistan – extremely low temperatures caused the loss of crops and herds.


Preços de cereais e grãos devem subir apesar de alta na produção, diz FAO

A produção de cereais e grãos no mundo neste ano deve ter um crescimento significativo, devido a condições climáticas favoráveis e o plantio durante o inverno na Europa e nos EUA, mas os preços nos mercados internacionais devem se manter altos --ou mesmo subir ainda mais-- com as pressões da demanda e a incerteza sobre os estoques.

A estimativa consta do relatório "Previsões de Safra e Situação da Alimentação", da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), divulgado nesta quarta-feira.

Mesmo com a safra mundial em níveis recorde, os preços também não devem ceder tão cedo, em razão da demanda mundial crescente. De acordo com o relatório, os preços do trigo no mercado internacional em janeiro deste ano registraram uma alta de 83% em relação ao verificado um ano antes.

A FAO estima que as importações de cereais em países de baixa renda e com déficit de alimentos devem ter um declínio de cerca de 2% em volume neste ano, mas os gastos com a compra de cereais deve subir 35% pelo segundo ano consecutivo (com uma estimativa de aumento ainda maior para os países da África) devido à alta nos preços.

Segundo o relatório, 36 países enfrentam crises de escassez de alimentos atualmente.

Para reduzir o impacto dos preços altos dos cereais sobre os produtos alimentícios, governos de países importadores e exportadores devem adotar medidas como redução de tarifas de importação, elevação dos subsídios aos alimentos e controle de exportações através de eliminação ou imposição de taxas, conforme o caso.

"Os altos preços dos alimentos e as incertezas do mercado se tornaram grandes preocupações globais e o amplo acesso a informações e análises atualizadas está se tornado um fator crítico", disse Henri Josserand, do sistema de informações da FAO.

Para a América do Sul, a expectativa da FAO é de safras de milho satisfatórias neste ano, mas para a Argentina a situação ainda é de incerteza.

Na Bolívia as enchentes afetaram mais de 42 mil famílias, que ficaram em situação de emergência e causaram a perda, parcial ou total, de muitas áreas cultivadas do país.

Nos países do sul da África a expectativa é de safras satisfatórias, apesar de enchentes na região. Na Ásia --em particular na China, Mongólia, no Afeganistão e no Tadjiquistão--, as temperaturas extremamente baixas causaram perdas de safras e de rebanhos.

FOLHA ONLINE